Sem categoria

Filha, Dublin foi assim…

Julho,2014_Dublin/Irlanda

Luna Flor,

O amor é o remédio para tudo que pode haver nesse mundo.

A gente passa anos dessa vida sem entender o que busca e talvez por isso não percebe quando encontra.

Estamos em Dublin, terra de St Patrick, batatas e cerveja da boa. Nessa simpática cidadela, tu encontrou um lar de avos! Muito sortuda, tens teus avos amados de sangue e tem também Solange e Afonso, o casal de amigos queridos que nos adotou de coração e te fizeram netinha assim que souberam da tua concepção.

Filha, queria tanto que tu guardasse na memória os dias que passamos aqui, o quanto te cuidaram e te fizeram sorrir. A vovó Soso, que tu pediu emprestada do Oscar e da Stelinha, te esperou com patinhos na banheira entre todas as coisinhas mais fofas que nos jamais poderíamos pensar. Tu era pura luz saltitando pela casa toda. Antes de dormir, tu dava tchauzinho e mandava beijos para todos e todas as esculturas da casa, as quais tu nominou: neném.

A Alessandra, anjo daqui, passava horas brincando contigo e ouvindo-te gargalhar. Ela te achou doce, mas doce eram seus olhos. A Maria, outro anjo, cozinhava feijão e me lembrava de te levar bolo de fubá para as andanças na rua. Todos já tinham comprovado tua fúria alimentar.

Foi tanta candura, carinho e cuidado que ate me emociono…como te disse antes, o amor, filha, é remédio pra tudo. Nos cura de coisas que nem sabemos que carregamos.

Queria que tu lembrasse, mas sei que não vai lembrar. E não importa. Não só as fotografias, irão te fazer saber o que aconteceu nesse verão por aqui, acredito que tuas células estão sendo imunizadas a cada dia com tanto afeto, vento livre e aventura. Sao as experiências que temos na vida e não o que temos na vida que nos define. Cedinho tu esta aprendendo. Cedinho tu soube que só o amor imuniza nossa alma.

Obrigada por trazer esse toque de magia e riso frouxo para nossa jornada.

E agradeceremos juntas nessa tarde de despedidas todo carinho que tivemos aqui. Tu não gosta de se despedir, vai chorar e chamar por todos, meu coração vai apertar, mas logo voltaremos, logo encontramos mais amigos para colorir nosso caminho e nos ensinar mais sobre a caminhada. Pois o amor não existe sem as pessoas e sao elas o nosso maior tesouro nessa vida.

Ps.: obrigada So, por todo amor e delicadeza. Vamos morrer de saudades!

Quando Luna nasceu eu já era passarinha migrante retirante, morando em Toronto e com o coração solto no mundo. Vivo querendo dar um tombo na rotina e sair voando por ai, sem rumo. Um dia me defini como gaúcha, colorada escorpiana e advogada. Hoje não tenho mais pretensões definidoras. Já entendi que somos transformações pesáveis. Sou um pouco escritora, fotógrafa amadora, inquieta faceira e viajante por qualidade de alma. Ser livre, pelo menos acreditar que tenho escolha é o que me faz viver e crer que a vida é boa. Estou aqui online, mas sou quase analógica. Movida a vinho, lápis, livro e caderninho. Chamego e leveza são palavras que me abraçam. Abri esse canal pra conversar contigo. Quero saber de ti...o que te move, corazon?

0 comentário em “Filha, Dublin foi assim…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: